top of page

A literatura de Pamela do Vale

"A rotina e a persistência fazem a nossa escrita amadurecer."

Nascida em Santos e criada no interior de São Paulo, Pamela do Vale sempre foi apaixonada por artes e pelo mundo da escrita. Começou a escrever muito nova, com apenas onze anos, e desde então vem se aprofundando cada vez mais no mundo da ficção. Conosco, publicou sua obra de estreia, Alvorecer.

Dando sequência para nossa série de entrevistas com autores da Palavra & Verso, trazemos aqui um pouco da trajetória literária de Pamela, bem como suas inspirações, seus próximos projetos, etc. Confira:



Palavra & Verso - Com que idade você começou a escrever, e quem mais te apoiou no início de sua carreira como escritora?

Pamela do Vale - Comecei bem novinha, tinha 11 anos. Na época eu escrevia fanfic do Harry Potter, tipo uma extensão das aventuras dele. E por muitos anos eu segui essa linha da fantasia, escrevi vários outros projetinhos, que estão todos engavetados só para eu não esquecer da minha essência, mas agora, adulta, sei que me sinto bem melhor escrevendo romances.

Minha irmã mais nova, Nicole, é a minha maior apoiadora desde sempre. Lembro que sempre que eu tinha alguma ideia para um livro, íamos conversando sobre isso o caminho todo até o trabalho, caminhando. E até hoje, sempre posso contar com ela pra tirar uma história de dentro da minha cabeça e passar para o mundo. Além dela, meu melhor amigo e alma gêmea, Felipe, foi quem mais segurou a barra na época da publicação do Alvorecer. Sem essas duas pessoas, eu não teria entendido que escrever é o que mais amo fazer nessa vida.


Palavra & Verso - Quais são suas principais referências para escrever? Cite alguns dos seus autores favoritos.

Pamela do Vale - Minha escritora favorita de todos os tempos é a Gillian Flynn. Eu amo as histórias que ela consegue criar e considero ela uma grande inspiração para criar personagens.


Palavra & Verso - Como é o seu processo de criação? Você passa por bloqueios criativos?

Pamela do Vale - Tenho todo um esquema que montei ao longo dos anos, por necessidade. Eu inicio sempre com um rascunho, uma página em branco onde escrevo todas as minhas ideias. Depois disso parto para o Outline. Lá vou destrinchando a história capítulo por capítulo, deixando comentários para mim mesma, para não esquecer o que eu estava pensando ao montar tudo.

Paralelo a tudo isso, crio as fichas dos personagens, onde defino tudo sobre a história deles, família, personalidade, aparência, etc.

Com tudo isso pronto, começo a realmente escrever meu livro, que é a melhor parte!

E quanto a bloqueios criativos, também sofro com eles. Já passei meses sem conseguir escrever nada que me fosse útil. Minha cabeça funciona ligada à história por vários dias seguidos, mas depois parece que tudo para, e eu acabo me distanciando mesmo que eu queira e precise escrever. Quando isso acontece, procuro fazer outra coisa. Vejo filmes, ouço música, vou fazer uma caminhada, e, eventualmente, consigo escrever novamente.


Palavra & Verso - Ainda falando sobre o seu processo de criação, quais são os desafios diários de ser escritor?

Pamela do Vale - A estruturação de capítulos sempre é o mais difícil. Talvez seja difícil por ser um processo extenso, durando meses e, às vezes, anos. Definir cenas e como cada capítulo deve começar e terminar, dizendo as coisas certas, mostrando as coisas em seu tempo certo, exige dedicação e paciência.


Palavra & Verso - Qual você acha que é a importância da música em um livro? Você gosta de ouvir música enquanto escreve?

Pamela do Vale - A música é essencial para mim! Eu costumo criar playlists para cada livro que escrevo, com músicas que me inspiram e que eu imagino tocando em cenas das minhas obras, e ouço sempre que vou criar. Sinto que a música tem o poder de levar nossa mente aos lugares onde gostaríamos de estar, lugares que às vezes só existem dentro da nossa cabeça, conseguindo aflorar todo o potencial que existe no escritor.



Palavra & Verso - De onde veio a inspiração para o seu livro “Alvorecer”, e como surgiu a ideia do título?

Pamela do Vale - Alvorecer, no início de tudo, era uma história diferente. O cenário, os personagens, tudo era diferente, exceto pelos dois principais, que eram inspirados em uma história de amor que eu gostaria de ter vivido. E a história toda estava guardada até 2020, quando reencontrei a pessoa que inspirou o Otto. Estranhamente, a história e a vida real ficaram muito parecidas e eu acabei voltando a escrever, tendo a oportunidade de publicar essa obra.

Sobre o título, foi escolhido por causa de uma cena muito importante entre os personagens principais, além do significado: ambos os personagens caminham de uma noite escura para a luz do dia.



Palavra & Verso - Como foi a criação da personagem centrais da obra, Emma e Otto? Fale um pouco sobre eles.

Pamela do Vale - Desde o início, as personalidades dos personagens já estavam definidas, então foi muito fácil saber como eles deviam agir, reagir e o que deviam pensar em cada situação.

Emma é cheia de traumas, retraída. Ela se sente sozinha e tem dificuldade para confiar nas pessoas. Dentro dela existe uma fragilidade muito grande, que vai levando ela pelos caminhos mais obscuros até que ela consiga se permitir ser feliz.

Já Otto, também cheio de traumas, joga tudo para fora. Ele externaliza a dor através da violência e da necessidade de fugir dela, com o álcool. Ele também segue um caminho bem difícil, até se permitir, assim como Emma.

No fim, eles são muito parecidos.



Palavra & Verso - Você tem muitos projetos em mente? Pode falar sobre algum deles? Fale um pouco sobre sua trajetória literária.

Pamela do Vale - Estou sempre escrevendo um novo projeto! Depois de Alvorecer, terminei mais uma obra, que levou 1 ano para ficar pronta e agora estou iniciando um novo projeto, completamente focada nele.

Meu próximo livro será um suspense LGBT, cheio de problemáticas envolvendo o psicológico humano como em Alvorecer. Ele conta a história de Blanc, um rapaz que mora com a mãe em uma cidade turística e que, um dia, descobre que não se lembra de um ano inteiro de sua vida. Ele conta uma mentira e embarca em um ônibus para a cidade onde acredita ter passado esse tempo perdido e se vê envolvido com dois rapazes que parecem o conhecer muito bem.



Palavra & Verso - Gostaria de deixar um recado de motivação para novos escritores continuarem a buscar por seus sonhos?

Pamela do Vale - Claro! Meu recado para quem está começando é não parar de escrever. Mesmo que ninguém esteja lendo agora, mesmo que você não pretenda publicar, escreva! A rotina e a persistência fazem a nossa escrita amadurecer, nossa mente trabalhar mais e mais, e tenho certeza que assim seu primeiro livro vai sair do jeito que você sempre quis.



Palavra & Verso - E por último, um bate e volta:

Uma pessoa: Minha irmã

Um livro: A Paciente Silenciosa

Uma música: Meet Me at Our Spot - Willow

Um gênero: Terror

Um filme: Senhor Ninguém

Um sonho: Viver da minha escrita

Uma frase: "Tudo o que vemos ou parecemos é nada além de um sonho dentro de um sonho." - Edgar Allan Poe



193 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page