top of page

Ricardo Oliveira: da Poesia aos Romances Policiais

"Siga em frente, e inspire-se, em primeiro lugar, em você mesmo."

Ricardo Oliveira é Escritor, Poeta, Colunista, Cientista da Religião, Especialista em Docência e Gestão Em Tempo Integral e Professor. Vive na Cidade de São José, SC.

Começou a escrever desde 1998, tendo contato com a poesia em 2003, aos 17 anos. Criou o grupo TV Folhetim no Facebook. Também é Sócio Associado do Grupo Poetas Livres de Florianópolis. Em 2018, tem as poesias declamadas na Rádio Massa FM 98.7 de sua cidade.

É autor do livro Força & Honra - Poemas Narrativos e Mark Martinez - Consultor Criminal, ambos publicados em nossa editora.

Dando sequência para nossa série de entrevistas com autores da Palavra & Verso, trazemos aqui um pouco da trajetória literária de Ricardo, bem como suas inspirações, seus próximos projetos, etc. Confira:



Palavra & Verso - Você sempre quis ser escritor? Como a escrita surgiu na sua vida?

Ricardo Oliveira - Sempre gostei do ato de escrever. Em 27 de julho de 1998, comecei me aventurar na arte da escrita, e criava novelas que tinham apenas três falas, chamando-as de “novelas comerciais”. O título ainda era copias de novelas que eu assistia. Mas desde criança, eu já criava personagens e histórias. Em 25 de julho de 2003, através da leitura dos poemas do poeta português Fernando Pessoa, me apaixonei pelos versos. E os versos livres foram tomando conta de mim, numa proporção inimaginável. Já em 16 de julho de 2008, comecei a publicar poemas no jornal Hora de Santa Catarina, desejando ser colunista.



Palavra & Verso - Como foi sua trajetória literária? Fale um pouco sobre “Força & Honra”, “Mark Martinez” e outras obras de sua autoria.

Ricardo Oliveira - Ao longo de muitos anos, eu escrevi poemas e os publicava no Jornal Hora de Santa Catarina. Depois foi ganhando espaço em outros jornais e sites. Tive o prazer de em 2014, fazer parte de um projeto de um blog de poesia no jornal já citado. No ano de 2018, a honra de declama-las todas as sextas-feiras pela manhã, no programa Microfone Aberto da Rádio Massa FM 97.7, conhecendo profissionais maravilhosos, tomando gosto por rádio, e cada vez mais tendo consciência da importância de ser um poeta e um escritor. Tenho que agradecer a Massa FM pela oportunidade. Na sequência, abri o leque, começando a escrever os poemas narrativos, as cartas, a qual dei o nome de cartas romancistas, as novelas de própria autoria e com títulos criados por mim, ampliando a margem da sabedoria. Conheci a editora Palavra & Verso em 2020. Nisso eu já havia escrito o livro Força & Honra - Poemas Narrativos. Sinto-me muito honrado pela parceria que construímos e pela beleza de abrir as portas para que eu adentrasse num mundo totalmente novo, o de ver uma obra literária publicada. Na sinopse, Marcus é um escocês, enquanto Vitória é uma princesa inglesa. Juntos, eles lutam pelo amor. Na série de Romance Policial, Mark Martinez, traz uma abordagem investigativa. Em San Diego, Califórnia, um grupo de agentes liderado pela agente Sharon Garcia, juntamente com Mark, um consultor criminal que tem um dom especial para ver detalhes onde ninguém consegue enxergar, vão correr contra o tempo para capturar o serial killer DK, seu braço direito, o informante SH entre outros; em detrimento a isso, eles investigam casos paranormais e homicídios, além de lidar com a suas vidas pessoais. Esta série de romance policial terá 8 livros, e o segundo volume já está próximo de sair: Mark Martinez - Consultor Criminal: O informante nas sombras, e um outro livro que também já está sento preparado pela editora com muito carinho, é Coração do Mistério, de poemas narrativos.



Palavra & Verso - Quais são os seus escritores favoritos, bem como os autores que influenciam a sua escrita? Indique alguns livros que são as suas principais inspirações.

Ricardo Oliveira - Os escritores que mais fazem parte da minha história literária são: Homero, poeta grego dos clássicos A Ilíada e Odisseia. O Poetas portugueses Fernando Pessoa e Camões. Pessoa foi o poeta que mais me influenciou na minha escrita, e principalmente na poesia. Cecilia Meireles, uma poetiza que também trouxe uma grande contribuição a minha vida. Machado que Assis, no qual me ajudou a entender um pouco mais sobre literatura. E não posso deixar de citar o escritor norte-americano Dan Brown, que trouxe em seus livros de suspense o marco para a atualidade. Mas, tem uma autora contemporânea que tive a oportunidade de conhecer, e de estar sempre trocando ideias literárias, a Sarah Schmorantz.

Livros indicados:

1. Os Lusíadas - Luiz de Camões

2. Odisseia - Homero

3. Ilíada - Homero

4. O Livro do Desassossego - Fernando Pessoa

5. Mensagem - Fernando Pessoa

6. Poesias de Ricardo Reis - Fernando Pessoa

7. Romanceiro da Inconfidência - Cecília Meireles

8. O símbolo Perdido - Dan Brown

9. Anjos e Demônios - Dan Brown

10. Inferno - Dan Brow

11. Dom Casmurro - Machado de Assis

12. A cartomante - Machado de Assis

13. O sopro da Brenha - Sarah Schmorantz

14. O Mundo Por Francine B. - Sarah Schmorantz

15. Espelho - Sarah Schmorantz



Palavra & Verso - Quais são as suas outras fontes de inspiração? Há filmes e séries que influenciam na sua escrita?

Ricardo Oliveira - Não é somente os livros que me inspiram, mas as séries de TV como O Mentalista, NCIS, Balthazar, Mistérios do Detetive Murdoch, Bones, FBI, Buffy - A Caça-Vampiros, Diários de um vampiro, e a série que sou fã a muito tempo, e tenho um carinho todo especial, onde assisto todos os anos nas sextas-feiras: Arquivo X, da década de 90. Essas séries me ajudam a ter uma visão totalmente nova, e me instigar a criar outra possibilidades para criações literárias.


Palavra & Verso - Como é a sua rotina de escrita? Você escreve todos os dias?

Ricardo Oliveira - Tenho uma rotina de escrita diária. Todos os dias tenho o meu computador, minhas anotações e todas as inspirações que povoam minha mente como companhia, e um vinho ou whisky (somente à noite) que são minhas outras paixões como parte integrante dessa viagem poética, segundo uma teoria que há anos escrevi em poemas, mas não tirei ainda da gaveta. Muitas vezes, escrevo o capítulo do meu romance policial, de uma novela, poemas narrativos e séries de poemas. E tudo ao mesmo tempo. Tenho os meus planejamentos e cada detalhe é captado para o processo literário. Também os poemas que não são narrativos. Antes, eu tinha a noite como amiga; hoje, a manhã é a melhor hora para adentrar os portais dos personagens e suas histórias.


Palavra & Verso - De onde veio a inspiração para começar a escrever o livro “Força & Honra”, e como surgiu a ideia para o título?

Ricardo Oliveira - A inspiração veio através de uma série chamada Outlander, que conta a história épica de um guerreiro e uma enfermeira, que vivem uma paixão avassaladora, e mais de 200 anos os separam. Então pensei: “O amor é uma força poderosa, e mas se a honra de alguém está em jogo. Será que um escocês e uma inglesa poderia passar por tantos desafios para viverem este compromisso de estarem juntos, e cultivarem o que sentem um pelo outro?”. Daí, surgiu a ideia de colocar como título “Força & Honra”.



Palavra & Verso - Em “Força & Honra”, conhecemos a inspiradora história de amor de Marcus e Vitória. Como foi o processo de criação dos personagens para esse livro?

Ricardo Oliveira - Os escoceses sempre me impressionaram, assim como as mulheres inglesas. Marcus é gentil e esta característica foi o que me levou a construi-lo. Há quem diga que os ingleses são hostis, mas não são. Eles são tímidos e introspectivos e apreciam a boa educação, assim pensei quando criei a personagem Vitória. E todo o paradigma de que alguém da realeza não poderia se apaixonar por alguém que não fosse de seu próprio povo fizeram destes dois uma fonte inesgotável de força e de honra.



Palavra & Verso - Em Mark Martinez – Cartas Vermelhas, conhecemos o carismático personagem do Consultor Criminal. Como foi a criação dos personagens Mark, Garcia e os demais que compõe a trama investigativa? Fale um pouco sobre isso.

Ricardo Oliveira - Mark Martinez tem um tom diferente dos poemas narrativos. O romance policial é parte de uma vasta leitura, pesquisa e série vistas e revistas para sugar os pormenores que eles poderiam oferecer. Eu queria para os personagens algo diferente. Desejei mostrar eles de uma outra perspectiva, através de suas vidas complicadas, mas que apesar de tudo, eles foram capaz de escolher fazer o que é certo. Mark teve uma filho com a sua assistente, mas eles foram embora, deixando-o. Ele tentou de várias formas encontra-las, entretanto, recebeu a notícia inesperada de que tinham morrido no parto. Sharon Garcia perdeu sua irmã, e isso foi o ponto para se tornar uma líder e investigadora. Scott Clark perdeu seu pai num acidente. Depois, entrou para o Cartel de Narcotráfico, sendo preso. Contudo, não quis mas essa vida e se tornou um agente. Emma Green teve que conviver com a morte do pai, para um câncer. Outra alguém fora colocado dentro de casa por sua mãe. Ela via as agressões que seu padrasto infligia em sua mãe e seu irmão e, aos dezesseis, foi violentada por aquele mostro. Contudo, encontrou forças e virou agente investigativa. Erick Adams sofreu com a explosão que teve em sua casa, vindo a perder seus pais. Estudou para ser pastor, mas mudou de rumo ao conversar com seu amigo de infância, que fazia parte da SDI - San Diego Investigação. Assim, acabou por adentrar na profissão e deu uma nova chance a si mesmo. Lisa Rivera lidou com a separação dos pais. O pai havia traído sua mãe. Ela de todas as formas, tentou encontra-lo, pois ele era o seu herói. Depois, formou-se como agente. Aos vinte e um anos, sua mãe veio a falecer. E a nossa agente e legista Aisha Carter, que entrou no volume 1, mas que sua história só conheceremos na próxima temporada da série. Fora assim, que fui moldando os agentes que, a esta altura da trama, não são mais somente personagens, mas sim pessoas reais. Eles agora não seguem o escritor, tem seus próprios pensamentos e ações.



Palavra & Verso - O que os leitores podem esperar do segundo volume da série, “Mark Martinez – O Informante nas Sombras”?

Ricardo Oliveira - O volume 2 trará questões pessoais entre os agentes, inclusive para a agente Garcia e Mark Martinez referente ao relacionamento dos dois. A corrida contra o serial killer DK, novas surpresas que estarão chegando nessa temporada. Casos de homicídios e paranormalidades que aguçam a nossa imaginação. Conheceremos a agente e legista Aisha Carter. Será que alguém vai se casar? Uma doença afligirá algum agente da SDI? Essa evidência, procede? Vidas passadas que ainda surgem para nossos queridos, o consultor e a sua libélula. Adams e Carter em seu primeiro caso complicado e ficaremos pasmos. Símbolos serão apresentados. Um passado que retorna para assombrar... Hipnose. Será mesmo possível? E muito mais que não posso mencionar a ninguém no momento. Desejo uma boa leitura do livro!



Palavra & Verso - Ainda falando sobre “Mark Martinez”; como você sente que foi a recepção da obra, por parte dos leitores?

Ricardo Oliveira - Adorei a forma como os leitores receberam e simpatizaram com os nossos agentes da San Diego Investigação. Fiquei bastante feliz com os comentários e resenhas, e isso fez com que o meu trabalho continuasse a ser realizado com dedicação e todo carinho que os leitores merecem. Há sempre uma torcida especial pelo Mark Martinez e a Sharon Garcia, isso não tem preço.



Palavra & Verso - Como escritor, como você sente escrever os gêneros da Poesia e Romance Policial? Quais são os principais desafios para escrever obras desses dois gêneros literários?

Ricardo Oliveira - Transitar pelo mundo poético nunca é fácil, e de um romance policial, é um desafio que dia após dia eu venho me empenhando para construir. Sempre fui do gênero da poesia, e de vez em quando me aventurava em escrever as novelas. Quando passei a ver séries e a ler livros relacionados a questões criminais e periciais, me apaixonei por este universo. Os poemas narrativos são complexos, uma vez que a sua construção é feita através de versos que contam uma história, algo que o poeta grego Homero fez muito bem, e Cecília Meireles no livro Romanceiro da Inconfidência. Entrar nos mistérios criminais, é pensar como um deles. Imaginar-se ser a vítima, aquele cuja mente são perturbadas, e os que tem que constantemente criar estratégias, conexões para descobrir e solucionar os casos, que nunca estão tão evidentes. Um desafio enorme que requer muita pesquisa e uma vasta leitura, atenção redobrada aos pormenores. No fim, tudo tem que fechar com exatidão. Ainda mais, quando é uma série de livros em que a história não termina, mas tem-se sua continuidade.


Palavra & Verso - Você tem muitos projetos literários em mente para o futuro? Pode falar sobre alguns deles?

Ricardo Oliveira - Sim. Tenho muitos projetos em mente. Além de participar de antologias e coletâneas diversas do gênero da poesia, e participação em projetos organizados pela Literarte (Associação Internacional de Escritores e Artistas), ainda tenho a continuação de Mark Martinez. Já tenho o volume 3 pronto, e estou escrevendo o volume 4, e serão um total de 8 livros. Também tenho um poema narrativo, que já está na editora Palavra & Verso, Coração do Mistério. Estou escrevendo uma novela chamada Kiara: A Princesa da Noite, que tem tudo para virar um livro. Contudo, existe a vontade de uma coletânea, com as principais poesias que tenho escrito ao longo de 19 anos. Fora outros livros que estão guardados, esperando serem publicados. Acabei de ingressar em duas Academias de Letras, a AIL (Academia Independente de Letras - Pernambuco) e Nalap (Núcleo de Letras e Artes de Portugal) e recebi o convite para ingressar como Membro Fundador Imortal Internacional na Academic Circle of Arts and Science, a vigésima Subsede Internacional, situada na Flórida, E.U.A.



Palavra & Verso - Gostaria de deixar um recado de motivação para novos escritores continuarem a buscar por seus sonhos?

Ricardo Oliveira - Tem uma frase que eu criei e carrego com muita sabedoria comigo: “Aquilo que é improvável, nem sempre é tão improvável assim”. Significa que quando achamos que nada vai acontecer, que tudo é tão improvável na vida, eis que essa palavra torna-se provável. Sim, nunca desistam dos sonhos que tem almejado. Aprendi ao longo do tempo que, com carinho, dedicação e muita persistência em buscar os resultados, conseguimos alcançar voos mais altos. Siga em frente, e inspire-se em primeiro lugar, em você mesmo. Você é o reflexo do que realmente deseja ser. Inspire-se também em algum autor que lhe dá motivação para caminhar na estrada que leva as “possibilidades”.



#entrevista #literatura #nacional

bottom of page